Ligação Direta - Notícias
Salvador, 18 de Outubro de 2019

Trabalhador é resgatado após ser flagrado em condições análogas à escravidão em garagem de empresa de ônibus na Bahia

Casa não tinha condições de habitação (Foto: Divulgação / SRT-BA)

Um trabalhador foi resgatado após ser flagrado em condições análogas à escravidão na garagem de uma empresa de ônibus, localizada dentro de uma propriedade rural, de mesmo dono, entre os municípios de Ilhéus e Itabuna, no sul da Bahia. Segundo informações da Supertintendência Regional do Trabalho na Bahia (SRT-BA), o resgate aconteceu na tarde de quinta-feira (16).

De acordo com o SRT, após uma denúncia registrada na Gerência do Trabalho, em Ilhéus, auditores fiscais do trabalho realizaram a inspeção no local e constataram que o trabalhador estava alojado em uma casa ao lado da garagem, sem condições de habitação.

Conforme a Supertintendência Regional do Trabalho na Bahia, no local não havia água para consumo e higiene pessoal. O trabalhador tinha que drenar a água da chuva através de uma calha no telhado da casa. Quando não havia água suficiente, o mesmo recorria ao rio que passava pela propriedade.

O SRT informou que o trabalhador disse, em depoimento, que trabalhava para a empresa há 18 anos, sem a carteira assinada. A vítima, ainda conforme a Superintendência, também relatou que o documento estava retido com o dono da empresa durante todos esses anos.

Ainda de acordo com a Supertintendência Regional do Trabalho na Bahia, a vítima vigiava a garagem que abrigava alguns ônibus, realizava a limpeza e manutenção do local, controlava a abertura e o fechamento dos portões e a retirada dos veículos pelos motoristas a qualquer hora do dia ou da noite, sempre que havia demanda.

Em nota, a SRT informou que a empresa proprietária da garagem do ônibus foi notificada pelos auditores ficais a comparecer à Gerência do Trabalho em Ilhéus, na próxima terça-feira (21), para o cálculo e pagamento das verbas rescisórias. Os relatórios sobre o resgate serão encaminhados para a Polícia Federal para a instauração de inquérito e para o Ministério Público do Trabalho (MP) para que seja aberta um ação civil pública contra a empresa.

G1 // AO

Postado em 17 de Ago 2018 as 14 : 56 : 00

 

Copyright 2014 - Todos os direitos reservados