Ligação Direta - Notícias
Salvador, 18 de Agosto de 2019

Ferries correm risco de afundar e contaminar mangue na Baía de Aratu

 

 

Diante dos manguezais que contornam a Baía de Aratu, duas figuras chamam a atenção. Cobertos por ferrugem, com dezenas de buracos no casco e atracados na Marina de Aratu, as embarcações Monte Serrat e o Ipuaçu – que já transportaram milhares de passageiros no sistema ferryboat – apodrecem aos olhos de quem passa por ali.

Não se trata apenas de vê-los se transformando em sucata. Hoje, 15 anos depois de o mais velho ter aportado no local pela primeira vez, as embarcações correm o risco de naufragar lá mesmo.

Para especialistas, é difícil até mensurar os danos ambientais para o ecossistema da região, caso os dois barcos, que já foram até leiloados pela Agerba, no segundo semestre do ano passado, afundem na Baía. Para quem trabalha diretamente com os ferries, o medo do naufrágio é constante. 

Em dezembro, durante uma falta de energia, a bomba que lança a água do mar – que entra pelos inúmeros buracos dos cascos – para fora das embarcações parou de funcionar. Foram 20 horas sem luz. Ou seja: a água entrava e não saía. Se a falta de energia durasse mais quatro horas, segundo fontes ouvidas pela reportagem, os ferries poderiam ter afundado naquele dia. 

O CORREIO entrou no Monte Serrat e no Ipuaçu que foram leiloados no segundo semestre do ano passado pela Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba). Apesar de terem mudado de dono e agora pertencerem a uma empresa privada, a situação não melhorou - aliás, piorou. Dentro dos ferries, há lixo acumulado, cadeiras antigas amontoadas e galões de óleo lubrificante sem proteção. 

 

Correio // Figueiredo 

 

Postado em 11 de Fev 2019 as 04 : 40 : 00

 

Copyright 2014 - Todos os direitos reservados