Ligação Direta - Notícias
Salvador, 06 de Dezembro de 2019

Montadoras atravessam novembro com 13,3 mil demissões

Mesmo com as medidas adotadas ao longo do ano, como lay-off (suspensão temporária de contratos), férias coletivas e mais recentemente o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), as montadoras demitiram este ano, até novembro, 13,3 mil funcionários. É o maior número de dispensas desde 1998 quando, às vésperas da grande desvalorização do real, o setor cortou 22,2 mil postos.

Como se não bastassem as demissões, o setor tem atualmente 46 mil trabalhadores com alguma restrição em suas atividades. Cerca de 40 mil deles participam ou aguardam aprovação para entrar no PPE - que reduz jornada e salários em troca de estabilidade no emprego - e 6 mil estão em férias coletivas ou lay-off.

Nos últimos dois anos, foram fechadas 25,7 mil vagas nas montadoras de veículos e máquinas agrícolas, cuja mão de obra é especializada e os salários costumam ser acima da média de outras indústrias. O número equivale a 80% dos empregos gerados entre 2010 e 2013, anos de produção recorde, com volumes que variaram de 3,3 milhões a 3,7 milhões de unidades.

Neste ano, até o mês passado, foram produzidos 2,287 milhões de veículos, 22,3% a menos que em igual período de 2014. Só em novembro, a produção teve queda de 14,2% em relação a outubro e de 33,5% ante igual mês do ano passado. Foram 176 mil unidades, o menor volume para o mês em 12 anos. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) prevê encerrar o ano com produção de 2,4 milhões de veículos, voltando assim aos níveis de 2006.

As vendas caíram 25,2% nos 11 meses do ano, para 2,34 milhões de unidades e deve fechar 2015 com 2,54 milhões de unidades, 27,4% a menos que em 2014. Os estoques diminuíram um pouco em relação a outubro, mas seguem elevados, com 322,2 mil veículos nos pátios das fábricas e revendas, o equivalente a 50 dias de vendas.

O presidente da Anfavea, Luiz Moan, acredita que 2016 também "não será um ano fácil", mas aposta numa estabilidade das vendas, com base na média diária do último trimestre deste ano. Uma melhora mais significativa do mercado só é esperada para os últimos três meses do próximo ano.

(Foto: Reprodução)

Postado em 05 de Dez 2015 as 17 : 55 : 00

 

Copyright 2014 - Todos os direitos reservados